Entrega em domicílio:
Posts
Comments

imagem No post anterior, falei do Food Revolution Day, evento promovido por Jamie Oliver em vários países. Vivemos um momento complicado, onde a indústria a alimentícia e química tem abusado de seu poder para empurrar goela abaixo seus produtos, nos tornando cada vez mais doentes. Devemos lutar contra isso e promover uma comida mais saudável, sem as neuras promovidas pela indústria “da saúde”, ao mesmo tempo, tornando a educação alimentar um valor central na formação de crianças e adolescentes.

É louvável todo o esforço de Jamie e das pessoas em envolvidas, nas diferentes cidades do globo. No entanto, não posso deixar passar aqui uma crítica, no que se refere ao evento em São Paulo. Ao olhar o mapa das ações que aconteceram na cidade, não pude de deixar de perceber que tudo se concentrou em uma área muito pequena, onde predomina bairros de classe média.

Hoje em dia, as maiores vítimas de uma alimentação ruim, rico em açúcar e gordura são os mais pobres que,  no caso de São Paulo, vive nas franjas da cidade.  Atores de um crescimento econômico há muito não visto no Brasil, ascendendo à chamada classe C, essas pessoas são o foco de agressivas campanhas de marketing da indústria alimentícia, em busca de novos mercados. E são suas crianças e adolescentes que mais precisam de uma verdadeira educação alimentar.

Ao concentrarmos as ações do Food Revolution Day na classe média, praticamente foi como pregar para os convertidos, afinal, é a parcela da população que tem plena acesso a informação. Para essas pessoas, saber sobre orgânicos, alimentos contaminados e os males da indústria alimentícia é muito fácil.

Se, no futuro, houver mais edições do Food Revolution Day, creio que devemos pensar em estratégias e ações para buscar os mais pobres, os que não tem acesso privilegiado a informação e mostrar a necessidade de uma alimentação melhor para o indivíduo e para a família.

E, terminado minha pequena crítica, aqui vai a receita que “criei” para esse dia.

Legumes e polenta com funghi secchi assados

Foto: Juliana Diehl

Para o Food Revolution Day, não queria uma receita complicada, muito menos cara. Achei interessante criar uma receitinha com itens que encontramos em qualquer supermercado, apesar de recomendar fortemente que compre os legumes em feiras, na quitanda ou que plante em uma horta em casa.

Lógico, alguns itens são mais complicados. Funghi secchi não é um item fácil de encontrar, muito menos barato, pelo menos em São Paulo (eu compro baratinho em Mogi das Cruzes). Mas também não é um item obrigatório. E ervas como alecrim e tomilho também não são coisas muito comuns nas mesas brasileiras, mas creio que são um bom início para uma horta caseira. Mas os demais ingredientes são elemento comuns na mesa do brasileiro, por isso não creio que seja um problema reproduzir essa receita. Além disso, ela é mutante. Você pode recriar o prato com o que você tem sobrando em casa. Não tem abóbora japonesa? Vai de moranga. Outros legumes e verduras podem ser acrescentados: chuchu, brócolis, repolho, mandioca cozida, batata doce, etc. Use sua imaginação e crie uma receita colorida, cheia de vegetais.

Ingredientes:
Polenta:
- 1 xícara de flocos de milho pré-cozido
- 2 xícaras de água (ou caldo de legumes, frango, carne, etc, mas nada de caldo industrializado de cubinho)
- 2 colheres de manteiga
- sal e pimenta do reino a gosto
- 20 gramas de funghi secchi, hidratados na água quente (opcional)
Molho (opcional):
- 1 copo de iogurte (200g)
- 1/2 cebola picada, bem fininha
- sal e pimenta do reino a gosto
- 1 colher de chá de amido de milho ou fécula de batata
Legumes:
- o que você quiser: abóboras , berinjelas, abobrinhas, tomates, cebolas, etc. Lembrando que algumas coisas devem ser fatiadas mais finas que outras, uma vez que os tempos de cocção delas são diferentes.
No caso usei: abóbora japonesa, abobrinha, berinjela, cogumelos portobello frescos, tomate sweet grape e sementes de jacas cozidas, descascadas e torradas. Esta última são muito gostosas, me lembrando um pouco castanhas portuguesas.
- ervas: tomilhos, alecrim, salsa, orégano, etc
- azeite
- 1 dente de alho bem picado
- sal e pimenta do reino a gosto.

Preparo
- Ferva a água ou caldo para cozinhar a polenta.
- Acrescente os flocos de milhos, mexendo sempre.
- Tempere com sal e pimenta do reino
- Quando estiver bem grosso, acrescente a manteiga e o funghi secchi, espremido  e picado (reservando o liquido da hidratação)
- Coloque a polenta numa forma pequena, compactando bem e alisando a parte de cima. Reserve.
- fatie os legumes sendo que os mais duros devem ser mais finos que os mais moles.
- numa  outra forma, jogue um pouco de azeite e espalhe o alho.
- espalhe os legumes e as ervas. Facebook
- tempere com sal, pimenta do reino e mais azeite.
- coloque a polenta e os legumes para assar em fogo médio, cerca d e180ºC, por cerca de 30 min.
- enquanto isso, faça um molho, opcional,  para a polenta. Refogue a cebola picada em azeite.
- quando esta estiver translúcida, acrescente o amido ou a fécula dissolvida em 4 colheres de sopa de água. Deixe cozinhar a massa.
-jogue o iogurte e o líquido do funghi secchi reservado.
- tempere com sal e pimenta do reino a gosto. Reserve o molho.
-com os legumes e a polenta assados, monte o prato. Corte a polenta em quadrados e cubra com um molho. Por cima de tudo isso, jogue os legumes assados.

One Response to “Food Revolution Day: o dia seguinte (no pun intended)”

  1. Pedro disse:

    Gostei muito do artigo! Muito bom mesmo! Se quiser ficar a saber os Beneficios da Chia por favor leia o meu artigo http://saudeuniversal.info/beneficios-da-chia/ sobre os Beneficios da Chia para a saude

Leave a Reply